segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Amigo secreto




Amigo secreto, amigo oculto, amigo X, ou também amigo invisível é uma brincadeira tradicional das festas de fim de ano (Natal e Ano-Novo). É comum entre colegas de trabalho, de escolas, e de familiares.


Origem
Acredita-se que a brincadeira venha dos povos nórdicos. Porém, é também uma brincadeira de costumes e tradições de povos pagãos. A brincadeira se popularizou no ano de 1929, em plena depressão onde não tinha dinheiro para comprar presentes para todos se fazia a brincadeira para que todos pudessem sair com presentes.


A brincadeira

A brincadeira ocorre da seguinte forma: Cada participante tira um papel com o nome de outro participante, e não deve contar a ninguém quem é.
No dia da brincadeira, através de dicas, os outros tentam adivinhar, quem é. Quando isso ocorre, há troca de presentes. Quem recebe o presente é o próximo que dá as dicas, e assim sucessivamente.




Variantes

Amigo chocreto

Recentemente, ficou popular no Brasil o amigo chocreto, amigo de chocolate, amigo chôco, amigolate, ou amigo doce, que tem as mesmas regras do amigo secreto, porém a diferença é que os presentes podem ser apenas chocolates. Por conta disso também em alguns lugares é realizado durante o período da Páscoa.


Amigo da onça

O "amigo da onça" ou inimigo oculto ficou comum principalmente entre colegas de trabalho. Como já diz o nome, no amigo da onça, não se dá presentes, faz-se apenas brincadeiras para aquela pessoa que foi sorteada, dando a ela algo que ela não goste, ou tem de se dar um presente sem utilidade nenhuma para seu sorteado.


Amigo caneca

Existe também o "amigo caneca", comum no começo do ano, no qual cada um dá uma caneca que lembre a pessoa sorteada.


 Amigo secreto chinês

Nessa proposta secreto é o presente e não o amigo.

Estipula-se um valor para o presente e cada participante compra um presente, sempre tendo em mente que ele pode vir a ficar com o presente ao final. O presente deve estar embrulhado de forma a impedir que os participantes saibam o conteúdo da embalagem. Para iniciar o jogo sorteiam-se números para cada um dos participantes. Por exemplo, se 15 pessoas estiverem participando, números de 1 a 15 serão distribuídos para os participantes.

Aquele que sortear o número 1 será o primeiro a pegar algum dos presentes. O número 2 terá o direito de pegar o presente da mesa ou "roubar" o presente do número 1. Caso isso aconteça, o primeiro terá o direito de escolher outro presente da mesa. E assim vai seguindo: o terceiro pode escolher o presente do primeiro ou do segundo ou o da mesa.

O jogo termina quando o último número (nesse caso, o 15) escolhe o presente da mesa ou, se preferir roubar de alguns dos participantes, escolhe o presente de qualquer um dos números. Nesse caso, o último azarado será obrigado a pegar o presente da mesa, não importa qual for. Uma regra importante: cada pessoa poderá trocar o presente somente uma vez.

Essa versão também é conhecida como "Desapego"


 Amigo Secreto "Elefante Branco"

É uma variante do Amigo Secreto Chinês.

Estipula-se um valor mínimo e um máximo para o presente (ou não), e este deve ser embrulhado em alguma embalagem que não seja possível saber qual o  conteúdo (ou para enganar, como por exemplo uma toalha posta em uma embalagem de garrafa de vinho; mas ele também pode ser deixado à mostra, essa parte da regra é opcional).

Todos os presentes são deixados à mostra (na mesa, no chão, etc) e é escolhida uma pessoa para começar.

A pessoa escolhida vai até o lugar onde os presentes estão expostos e pega um qualquer, com a proibição de pegar o próprio presente.

Com o presente em mãos, a pessoa sorteia o amigo secreto na hora e dá dicas para os outros participantes adivinharem.

O ponto forte do Elefante Branco é que ninguém sabe, até certo ponto, o que está dando e para quem. É tudo definido só na última hora. É feito, geralmente, entre famílias grandes (por causa da variedade maior dos presentes), no Natal ou Ano Novo.


Curiosidades

* Muitas pessoas ficam em dúvida sobre como dizer "amigo secreto" em outros idiomas. Em inglês se diz Secret Santa (e não secret friend, como muitos pensam), em espanhol amigo invisible (ou amigo secreto como no português), e em alemão Wichteln

É de costumes entre familiares fazerem pequenas brincadeiras com as pessoas sorteadas, por exemplo usar um fato marcante da vida da pessoa, ou uma parte engraçada do seu perfil.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Terapia do desapego..comece um 2013 bem leve e diferente!!!!!!!!!




Aproveite o fim de ano para praticar a terapia do desapego!!!!!!!!!!!!

Natal já foi uma época em que todos doavam, compartilhavam, dividiam. Mas ficou pouco desse costume. A sociedade contemporânea transformou a comemoração do nascimento de Cristo no feriado mais consumista do ano, que pode ser redefinido pelos verbos: comprar, ganhar, receber. O resultado: as pessoas têm mais do que precisam e acumulam excessos.

 É importante não levar objetos inúteis de um ano para o outro, para que se possa fazer um balanço do período. Para se livrar de tanta tranqueira, uma palavra está em voga: desapego. A regra é simples: entra um, sai um.

Depois de uma arrumação geral, é preciso avaliar o que sobrou. O que pode ser reaproveitado e o que deve ser jogado fora? Há vários fins para cada peça. É preciso considerar a sua situação financeira, pensar em quem necessita daquele objeto e qual é o lugar adequado para dispensá-lo. Donna preparou um pequeno guia com o que deve ser feito a partir do que foi retirado.
DOAR

Avalie se as peças estão em boas condições. Lembre-se, primeiro, das pessoas próximas de você que podem fazer bom uso do que sobrou.  Depois, procure instituições que aceitem doações. Separe o que sobrou por temas: crianças, idosos, meio ambiente. Há locais que aceitam material quebrado. Mas o ideal é enviar produtos em bom estado. Às vezes, é possível providenciar pequenos reparos antes da doação.




VENDER

Se você está precisando do dinheiro, há várias opções divertidas. A mais simples é vendê-las em um brechó. 




RECICLAR

 "Não jogue nada fora, tudo pode ser reaproveitado". O que não serve para doar ou vender ainda pode ser reciclado. Existem instituições que recolhem o lixo e fazem uma triagem. Outras reciclam metais e material de informática. Algumas entidades aceitam produtos de plástico quebrados. Não desperdice o que pode ser reaproveitado e procure o local ideal para doar essas peças. 



Renove as energias..desapegue ..e sinta as novas energias!!!!!!!!!!

Origem da Árvore de Natal





A “Árvore de natal”, conhecida em algumas regiões da Europa como “Árvore de Cristo”, desempenha papel importante na data comemorativa do nascimento de Jesus e representa agradecimento por sua vinda.
Entre as versões sobre sua procedência, a maioria delas indicando a Alemanha como país de origem, a mais aceita atribui a novidade ao padre Martinho Lutero (1483-1546), autor da reforma protestante do século XVI.

Ele montou um pinheiro enfeitado com velas em sua casa. Queria, assim, mostrar às crianças como deveria ser o céu na noite do nascimento de Cristo.
Os relatos de meados do século XVII, provenientes da Alsácia (França), são de que florescimentos de árvores no dia do nascimento de Jesus, levaram os cristãos da antiga Europa a ornamentar suas casas com pinheiros no dia do natal, única árvore que, nas imensidões da neve, permanece verde.
O costume de preparar este complemento do presépio foi passando de vizinhança em vizinhança, alcançando hoje até países onde a neve é um fenômeno desconhecido. 

Na Roma antiga, os romanos penduravam máscaras de Baco em pinheiros para comemorar a "Saturnália", uma festa que coincidia com o nosso natal.



A Árvore de natal, conhecida em algumas regiões da Europa como “Árvore de Cristo”, desempenha papel importante na data comemorativa do Nascimento de Nosso Senhor.

Os relatos mais antigos que se conhecem acerca da Árvore de natal datam de meados do século 17, e são provenientes da Alsácia, encantadora província francesa.

Descrições de florescimentos de árvores no dia do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo levaram os cristãos da antiga Europa a ornamentar suas casas com pinheiros no dia do natal, única árvore que nas imensidões da neve permanece verde.

A Árvore de natal é um símbolo natalino que representa agradecimento pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.

O costume de preparar este belo complemento do presépio foi passando de vizinhança em vizinhança, alcançando hoje até países onde a neve é um fenômeno desconhecido.

Mas, qual é mesmo a origem esotérica da Árvore de natal? Agora ela se tornou popular, mas sua real origem é popular ou hierática? Criada para abrigar toda uma simbologia esotérica, espiritual?

Para os gnósticos, a Árvore de natal tem profunda concordância com as tradições Alquímicas, Cabalísticas e Cósmicas de todas as tradições. Todos os presentes, todos os enfeites, as cores etc., têm um significado profundo e altamente simbólico.

Portanto, ao se montar a Árvore de natal, lembre-se de compô-la de acordo com a tradição, criando-a para carregar o ambiente onde ela está com vibrações bastante positivas. Em seguida, algumas dicas para se montar uma Árvore de natal Gnóstica.

O que Representa a Árvore: A Árvore de natal representa o Diagrama Cabalístico da Vida, chamado de Árvore Cabalística ou Árvore Sefirótica. Nesse Diagrama está representada toda a vida e todas as dez dimensões do Universo. Esta Árvore possui dez galhos, que vão desde Kether (o Pai todo perfeito) até Malkuth (o mundo físico).



Árvore Cabalística

Tipo de Árvore

Se possível, que seja um pinheirinho, já que esta árvore representa a energia luminosa da Era de Aquárius. O pinheiro é, na verdade, o símbolo da Era Aquariana.

Localização da Árvore

Sugere-se colocar a árvore de natal ao centro da sala ou no leste, aonde o Sol nasce. É apenas uma sugestão, caso não haja essa possibilidade, qualquer local será apropriado para isso.

Como Enfeitar a Árvore

Sempre de cima para baixo, respeitando as forças descendentes do Espírito Divino que vêm para nos abençoar aqui no plano físico.


No Topo da Árvore

Fixe uma estrela dourada, esta representa nossa Estrela Interior que anseia nos guiar na peregrinação da vida, é o nosso Espírito Divino que precisa nascer em nossa Consciência (o topo de nossa Alma é a Consciência). 
Porém NUNCA ponha a estrela de ponta cabeça, se esta for de cinco pontas.

Os Enfeites

Os enfeites alegorizam virtudes, poderes e forças espirituais que devem triunfar dentro de nós, e também dentro da casa onde está a Árvore. Vejamos os principais enfeites-símbolos:



Os 3 Sininhos

Simbolizam a Santíssima Trindade, as três Forças Primárias do Cosmos;


Os 7 Anjinhos

Representam os 7 Espíritos Angélicos Santificados, que estão diante de Deus intercedendo por todos nós;


As 12 Bolas

Podem ser mais, obviamente, mas as maiores devem ser ao todo 12, e este número representa as 12 Leis Crísticas, os 12 Salvadores e os 12 Cavaleiros da Távola Redonda, que nos protegem de todo o mal para algum dia encontrarmos as 12 Verdades de Cristo;


As 7 Bengalinhas

Simbolizam as 7 Kundalinis que devemos trabalhar para algum dia encarnarmos nosso Poderes que Divinizam;


Os Enfeites

Ao pé da Árvore, representam todas as virtudes que queremos alcançar em nossa vida espiritual; podem ser pequenas caixinhas, elas representam essas virtudes e podem ser de cores variadas.


A Vela Quadrada de Cor Amarela

Deve ser posta na base da Árvore ou próxima a ela, porém com segurança total. E na noite de natal, se possível, acendê-la para que toda a simbologia natalina se transforme num carregador de energia astral altamente energizado. Recomenda-se que uma mulher (caso seja possível, grávida) acenda essa vela.


Recipiente com Água

Deve ser posto do lado oposto da vela acesa, pode ser uma pequena jarra com água (obviamente coberta, para não cair nenhuma impureza). Representa que devemos nos purificar com Água e com Fogo para iniciarmos verdadeiramente a construção de nossa Árvore natalícia Interna! Ao desmontar a Árvore, no Dia de Todos os Santos, dê essa água de beber a todos os membros da família, ou a distribua aos enfermos.

Que a Luz do Cristo Cósmico ilumine sua casa com esta maravilhosa representação esotérica que é a Árvore natalina!

Lembre-se: Essas são somente algumas sugestões de objetos simbólicos para sua árvore de natal. Você também pode usar outros símbolos sagrados de seu conhecimento, desde que colocados ali com muita reverência, sempre lembrando do Aniversariante.



Antecedentes

A Árvore de natal é um pinheiro ou abeto, enfeitado e iluminado, especialmente nas casas particulares, na noite de natal.

A tradição da Árvore de natal tem raízes muito mais longínquas do que o próprio natal.

Os romanos enfeitavam árvores em honra de Saturno, deus da agricultura, mais ou menos na mesma época em que hoje preparamos a Árvore de natal. Os egípcios traziam galhos verdes de palmeiras para dentro de suas casa no dia mais curto do ano (que é em Dezembro), como símbolo de triunfo da vida sobre a morte. Nas culturas célticas, os druidas tinham o costume de decorar velhos carvalhos com maças douradas para festividades também celebradas na mesma época do ano.

Segundo a tradição, S. Bonifácio, no século VII, pregava na Turíngia (uma região da Alemanha) e usava o perfil triangular dos abetos com símbolo da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo). Assim, o carvalho, até então considerado como símbolo divino, foi substituído pelo triangular abeto.

Na Europa Central, no século XII, penduravam-se árvores com o ápice para baixo em resultado da mesma simbologia triangular da Santíssima Trindade.




Árvore de natal como hoje a conhecemos

A primeira referência a uma “Árvore de natal” surgiu no século XVI e foi nesta altura que ela se vulgarizou na Europa Central, há notícias de árvores de natal na Lituânia em 1510.
Diz-se que foi Lutero (1483-1546), autor da reforma protestante, que após um passeio, pela floresta no Inverno, numa noite de céu limpo e de estrelas brilhantes trouxe essa imagem à família sob a forma de Árvore de natal, com uma estrela brilhante no topo e decorada com velas, isto porque para ele o céu devia ter estado assim no dia do nascimento do Menino Jesus.
O costume começou a enraizar-se. Na Alemanha, as famílias, ricas e pobres, decoravam as suas árvores com frutos, doces e flores de papel (as flores vermelhas representavam o conhecimento e as brancas representavam a inocência). Isto permitiu que surgisse uma indústria de decorações de natal, em que a Turíngia se especializou.
No início do século XVII, a Grã-Bretanha começou a importar da Alemanha a tradição da Árvore de natal pelas mãos dos monarcas de Hannover. Contudo a tradição só se consolidou nas Ilhas Britânicas após a publicação pela “Illustrated London News”, de uma imagem da Rainha Vitória e Alberto com os seus filhos, junto à Árvore de natal no castelo de Windsor, no natal de 1846.
Esta tradição espalhou-se por toda a Europa e chegou aos EUA aquando da guerra da independência pelas mãos dos soldados alemães. A tradição não se consolidou uniformemente dada a divergência de povos e culturas. Contudo, em 1856, a Casa Branca foi enfeitada com uma árvore de natal e a tradição mantém-se desde 1923.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Guirlanda especial do natal





A vantagem de criar a sua própria Guirlanda é que a energia que você vai colocar em sua criação, vai energizar sua entrada no Ano Novo.

A técnica de montagem uni especiarias que trazem um resultado surpreendente de boas energias para proteger você, sua família e sua casa.

Você vai criar o visual combinado com suas necessidades, assim além de decorar, vai curar o ambiente.
O material usado para montar a guirlanda é barato e simples.

Da lista sugestiva de materiais à seguir, tirando o cipó que você compra em floriculturas, ou um arco feito com arame o restante você encontra em sacolão, feiras e mercados.

A montagem é super simples. Basta torcer duas ou três tiras de cipó ou arame encapado e emendar as extremidades formando um circulo.

Em seguida você posiciona os ingredientes escolhidos previamente em toda volta para ter uma base da disposição.

Então, com cola quente em pequena quantidade para não ficar grosseiro, você vai colando um a um e observando se esta ficando do seu agrado.

Enfeite também com laços de tecido com as cores verde e vermelho.

Com a criatividade de sempre, sua guirlanda vai ficar maravilhosa e cheia de energia boa.

Lembre-se de fabricá-la no seu melhor bom humor!

Para cada material, você tem um significado:

ALHO: Contra a inveja.
ANIS: Sexualidade.
TRIGO SECO: Fartura.
CANELA: Transmite harmonia.
CIPÓ: Força.
CRAVO: Equilíbrio.
GUARANÁ: Energético.
LENTILHA: Atrai fortuna.
LOURO: Sucesso.
PIMENTA: Combate a inveja e a fofoca.
ALECRIM : Saúde.
GRÃO DE BICO: Prosperidade.


FELIZ FESTAS!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Diwali – A festa das Luzes



O ano novo indiano     जाया महा लक्षिमी

O Diwali (também transcrito como Deepavali ou Deepawali) é uma festa religiosa hindu, conhecida também como o festival das luzes. Durante o Diwali, celebrado uma vez ao ano, as pessoas estreiam roupas novas, dividem doces e estouram rojões e fogos de artifício. É um evento religioso que simboliza a destruição das forças do mal.

 Celebrado com um grande feriado indiano, e um importante festival para o hinduísmo, o sikhismo, o budismo e o jainismo. Muitas lendas são associados ao Diwali. O feriado é atualmente comemorado pelos hindus, sikhs e jains em todo o mundo como o festival das luzes, onde as luzes ou lâmpadas significam a vitória do bem sobre o mal, da luz sobre a escuridão, dentro de cada ser humano. Diwali é comemorado no primeiro dia do mês lunar Kartika, que ocorre no mês de outubro ou novembro.
Em muitas partes da Índia, é o Baile do Rei Rama de Ayodhya,que após 14 anos de exílio na floresta derrotou o mal Ravana. O povo de Ayodhya (a capital do seu reino) congratulou-se com Rama por iluminação em fileiras (avali) das lâmpadas (Deepa), dando assim o seu nome: Deepavali. Esta palavra, em devido tempo, se tornou Diwali em hindi. Mas, no sul indiano em algumas línguas, a palavra não sofreu qualquer alteração e, portanto, o festival é chamado Deepavali no sul da Índia. Existem várias observâncias do feriado em toda a Índia.

Na Índia, o Diwali é hoje considerado um festival nacional quanto ao aspecto estético, entretanto, é usufruído pelos hindus, independentemente da fé.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

VC SABIA?





Que o mês de Novembro era conhecido como período entre os mundos?
E que era um momento de refletir sobre o sentido da vida e os ciclos de renovação?
Diziam que nos primeiros dias de Novembro os seres mágicos que saíram no Halloween ainda estavam entre nós.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Oração às Hierarquias Divinas


 

Como Realizar uma Prática de Alta Magia com os Anjos Planetários

Sentai-vos em uma cômoda poltrona e fechai os vossos olhos.
Apartai da mente todo pensamento terreno e enfocai o pensamento em vosso Mestre Interno, orando assim:


Oração às Hierarquias Divinas

“Meu Pai, tu que és meu verdadeiro ser, te suplico como todo o meu coração e com toda a minha alma, que penetres no templo-coração da estrela de Vênus para que te prostes aos pés de Uriel e lhe peça o seguinte favor: (suplica-se o favor que se deseja).”
Em seguida, o discípulo, saudando mentalmente o guardião da coluna da direita, dará um profundo suspiro e pronunciará a palavra de passe: Jackin. Em continuação, fará o mesmo com o guardião da coluna da esquerda e pronunciará a palavra de passe: Boaz, isto é, primeiro o suspiro profundo, depois se rogará a seu Mestre Interno, dizendo-lhe: “Senhor, dá agora sete passos para o interior do templo para que faças a súplica, meu Pai, meu Senhor, meu Deus…
Feita a súplica, pede-se, com todo o coração ao Anjo do planeta que se estiver trabalhando, um Coro de Anjos para realizar a obra. (Eles cantando criam.)
Se o Anjo concede vossa petição, o coro de Anjos, que são seus filhos e que moram com ele no templo do núcleo planetário, começará a cantar em linguagem sagrada para fazer o trabalho solicitado. Assim é como o Exército da Voz cria por meio do Verbo.
Qualquer observador profano, se observar o céu nesses instantes, poderá ver o planeta brilhando e resplandecendo de maneira intensificada e rara. O observador ficaria simplesmente espantado ao contemplar o original cintilar do planeta trabalhado nesses instantes.
As Hierarquias Divinas concedem o que pedimos quando o Karma permite. Mas, se a súplica não chegar a ser concedida, então o Anjo mostrará o relógio do Destino e, neste caso, não lhe restará outro remédio que inclinar a cabeça diante do veredicto da lei.
Em seguida, faça a oração do planeta ao qual estiver realizando as práticas de Alta Magia. Por fim, feche os olhos e entre em meditação profunda, com muita concentração e devoção sincera.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Celebração do dia!!



19 DE OUTUBRO 

Festival Bettara-Ichi no Japão, festejando uma das sete divindades da boa sorte, o deus Ebisu. Procissões de crianças percorrem as ruas carregando vários cordões, nos quais atavam-se picles pegajosos e diversos objetos e talismãs para atrair e capturar a boa sorte. As mulheres reverenciam Benten ou Benzaiten, a única deusa das sete divindades da boa sorte. Essa deusa trazia inspiração, talentos, riqueza e amor para todos aqueles que a honravam.
 Benten era também a rainha do mar, uma mulher-dragão que nadava cercada por um grupo de serpentes brancas. Nessa apresentação de mulher-dragão, Benten protegia seus devotos dos terremotos, tendo relações sexuais com as serpentes monstruosas que se escondiam sob as ilhas japonesas para acalmar sua agitação, causadora dos terremotos. Benten poderia se apresentar, também, como uma linda mulher cavalgando um dragão, que era seu corcel e amante.

Para atrair boa sorte, use um dos sete símbolos destas divindades: uma chave, uma moeda, um chapéu, um baú, um cravo (prego), um peso (de balança) e uma capa de chuva. Faça desenhos ou procure miniaturas para serem colocadas em seu cofre, em sua bolsa ou em sua carteira. Se preferir, use somente uma gravura de dragão, pedindo à deusa Benten que lhe traga proteção, boa sorte, amor e prosperidade.

Curiosidade magica!


Que Outubro era considerado o mais mágico dos meses?

 Acreditava-se que nesse mês a Mãe Natureza transformava as criaturas encantadas em formigas e outros insetos, para espiar se os humanos eram merecedores da sua ajuda. 

Por isso era costume colocar açúcar em pratinhos por toda a casa. Para bem receber os "espiões" do mundo mágico.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Freyja ou Freya


Comemoração, nos países nórdicos, de Freyja ou Freya, a deusa do amor e magia, condutora das almas para o mundo subterrâneo.

Freyja era a Matriarca Ancestral do grupo de divindades Vanir, precursoras dos Aesir, as divindades patriarcais vindas da Ásia. Como dirigente das matriarcas ancestrais Afliae, as poderosas e das Disir, as avós divinas, Freyja tinha muitos atributos. Ela regia o amor, a fertilidade, a sexualidade, a Lua, o mar, a Terra, o mundo subterrâneo, o nascimento, a morte e a magia. Aparecia como uma deusa tríplice (virgem, mãe, anciã), como senhora dos gatos, dirigente das Vaquírias e condutora das almas dos guerreiros mortos em combate, das quais metade ia para seu reino e a outra metade para o palácio de Odin. Freyja era irmã e consorte do deus da fertilidade Frey, com quem formava o casal divino. “A senhora e o Senhor”, celebrado nos ritos de fertilidade com o “casamento sagrado”, a união sexual entre o rei do ano e da sacerdotisa da Deusa.

Freyja era representada como uma linda mulher vestida com um manto de peles de gato, enfeitada com penas de cisne e adornada com jóias de ouro e âmbar, sendo puxada em sua carruagem dourada por quatro gatos. Seu dia sagrado era a sexta-feira, que foi nomeado em sua homenagem, sendo invocada em todos os assuntos de amor, sexo e magia. Segundo as lendas, foi Freyja quem ensinou a Odin a magia das runas.

Nos países nórdicos, celebravam-se “As noites de inverno” marcando o início do inverno, o fim das atividades externas (caça, pesca, colheita) e os preparativos para a sobrevivência durante o inverno.
No País de Gales reverenciava-se Dwynwen ou Branwen, a deusa do amor, também conhecida como “A Vênus do Mar do Norte” ou “Lindos Seios Alvos”. Filha de Llyr, o deus do mar, ela era a padroeira dos namorados e regente da lua cheia.

sábado, 6 de outubro de 2012

Magia da Bruxa Ecológica



Como reciclar garrafas de água, galões, pois o modelo fica a seu critério, a ideia é para utilizar o que você costuma usar em casa.
Fica parecido com spots de iluminação.
Dependendo da garrafa de pet que você tiver o spot fica grande ou pequeno.
Veja o exemplo abaixo e crie a sua luminária.
Boa arte reciclável!
Faça lindas luminárias reaproveitando garrafas de água!
 
Passo a passo

1- Escolha uma garrafa de água.
2- Recorte cuidadosamente a parte do gargalo da garrafa.
3- Pinte o gargalo com uma tinta branca para fixar melhor as outras cores.
4- Após secar a primeira mão de tinta, pinte da cor que você desejar.
5- Pinte os detalhes como bordas e bocal de uma cor diferente para realçar o formato.
6- Você pode utilizar a sua própria estrutura para as luminárias, mas se desejar fazer uma, encontre uma madeira e revista com papel parede ou pedaços de revista.
7- Após secar a moldura faça pequenas furos medidamente espaçados e passe os fios por dentro das luminárias.
8- Instale os bocais e coloque as lampadas.
9- Prontinho sua luminária estará prontinha!

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Dica de Leitura!!!


 O Primeiro Dia, de Marc Levy

“Talvez a natureza tenha preferido apagar as lembranças dos nossos primeiros instantes e nos proteger, proibindo a lembrança dos sofrimentos passados no percurso para a posse da vida… Muitas vezes me pergunto o que seria da humanidade se compreendêssemos realmente esse processo. O homem se acharia um deus?… Que respeito teríamos pela vida desvendando o mistério de sua criação?”
Pág. 323
~~~*~~~
Keira passou os últimos três anos comandando uma escavação no Vale do Olmo, Etiópia. A arqueologia não era apenas sua profissão, era uma paixão. Sua meta é encontrar vestígios do primeiro homem a andar sobre a terra… O pai de toda humanidade. Mas o destino havia reservado outros planos para ela. Todo seu trabalho foi varrido por uma tempestade de areia, alterando o rumo de sua vida para sempre.

Sem dinheiro ou descobertas que justificassem um refinanciamento da pesquisa, Keira foi obrigada a retornar para a Europa. Não foram apenas seus sonhos que se perderam no Vale do Olmo, ela também deixara para trás um amigo... Harry, um garoto órfão que conquistou seu coração. Mas Keira trazia em seu pescoço uma lembrança de Harry, uma rocha vulcânica transformada em pingente que ganhara do garoto etíope.

Em Londres, outro cientista também enfrenta o fracasso de seu último projeto. Adrian é um astrônomo que procura respostas para a pergunta que o persegue desde a infância: Onde começa a aurora? Ele busca a primeira estrela a brilhar, aquela que surgiu ao nascer do Universo.
Durante a disputa de uma bolsa para pesquisa, Adrian reencontra uma antiga paixão… Keira. Ao visitar a casa de Adrian, a arqueóloga esquece lá seu pingente. O interesse científico do astrônomo é despertado pela misteriosa joia, pois ele descobre que a rocha possui uma capacidade incomum.
Logo, Adrian e Keira percebem que não são os únicos interessados no artefato. Unidos por esse mistério, eles embarcam em uma viagem que os levará numa emocionante aventura.

Adrian e Keira pensavam buscar coisas diferentes, mas ao longo do caminho descobrem que sempre procuraram respostas para mesma questão… qual a origem da criação?
~~~*~~~

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Celebração do dia



Celebração das deusas astecas da água e da fertilidade. A mais conhecida era a deusa Chalchiuhticue, “a deusa com saia de jade”, representada coberta de jóias de turquesa e jade, usando uma coroa com penas azuis e a saia enfeitada com lírios. Ela regia todas as águas – dos rios, dos lagos, da chuva e das cachoeiras – e gostava de oferendas de flores e penas azuis e brancas. Chalchiuhticue aparecia sob outras inúmeras formas, tendo vários nomes, de acordo com sua origem e seus atributos. A deusa do mar era Acuecueyotlcihuatl, “a mulher que faz as ondas crescerem”, invocada pelas parturientes para romper as bolsas d`água e iniciar o parto.
No antigo Peru comemorava-se Mama Occlo, a deusa celeste que inventou a tecelagem e ensinou-a às mulheres.
Dia de Saleeb, no Egito, celebrando o nível máximo do Nilo e as deusas Hathor, Sothis, Ísis, Neith e Anath.
Festa dos Salgueiros, na Mesopotâmia, homenageando Mah, a deusa da Terra, da fertilidade e da Lua. Originariamente uma Mãe criadora, ela foi assimilada, posteriormente, à deusa romana Bellona, tornando-se Mah Bellona, a padroeira da guerra.

domingo, 23 de setembro de 2012

CANTO DE OSTARA





Canto a Primavera,
Canto a vida a romper.
E canto à Senhora que a Luz vem trazer.
Canto a Terra, vamos todos cantar,
Cantemos a Esperança da Roda a Girar. 

Voltamos da Noite e da Sábia Anciã,
Voltamos pra Eostre na Luz da Manhã.
É hora, é hora da terra lavrar
Prepara as sementes para semear.

As Fadas e os Elfos nós vimos honrar,
E a todos os Outros à Luz do Luar.
Que soem os sinos na Terra e no Mar,
A Terra está pronta para semear.

É a Hora Verde na Terra a chegar,
A volta de Eostre pra nos abençoar.
Cantai e louvai, pois a Roda não pára.
Já passou Imbolc, é chegado Ostara!

Há festa na Terra, vamos celebrar,
Com cantos e danças na noite a soar.
Há flores e rebentos, pelos campos fora,
Saudai Atégina, Perséfone e Flora.



Letra:Lusitânia


Feliz Equinócio de Primavera!


Até hoje, as flores são um símbolo da primavera. 



Antigamente, no dia do equinócio, elas eram colhidas nos campos e levadas para as casas, pois as pessoas acreditavam que as flores colhidas neste período tinham potenciais mágicos e que, por
 meio delas, seriam capazes de se conectarem à poderosa energia renovadora da Natureza. 





Depois, essas flores eram secas e com elas faziam-se enfeiteis, que decoravam as casas até o ritual de Ostara do ano seguinte, época em que eram trocados por novas flores, de forma a garantir a continuidade da renovação, trazendo saúde e prosperidade. 
Mantenho essa tradição até hoje e aconselho a quem puder fazer! 



Feliz Equinócio de Primavera!

Blessed be!


sábado, 15 de setembro de 2012

Saiba usar o seu Poder na Magia



Scott Cunningham em seu livro Guia Essencial da Bruxa Solitária dá algumas dicas de como você utilizar bem seu poder evitando assim, ser punido por seu mal uso. Vamos a elas:

1. O Poder não deve ser usado para gerar danos, males ou para controlar os outros. (Se surgir necessidade para tais atos, o Poder deverá ser usado APENAS para proteger sua vida ou de outros);

2. O Poder só deve ser utilizado conforme as necessidades;


3. O Poder pode ser utilizado em seu benefício, desde que ao agir não prejudique ninguém;


4. Não é sábio aceitar dinheiro para utilizar o Poder, pois ele rapidamente controla o que o recebe. Não seja como os de outras religiões;


5. Não utilize o Poder por motivo de orgulho, pois isto desvaloriza os mistérios da Wicca e da magia;


6. Lembre-se sempre de que o Poder é um Dom sagrado da Deusa e do Deus, e não deve JAMAIS ser mal usado ou abusado;

Celebração do Dia


15 DE SETEMBO


Início dos Grandes Mistérios de Eleusis, os “Mistérios da Mãe e da Filha”, oriundos de um antigo festival da colheita dos cereais. Nesta dia, fazia-se a proclamação oficial, excluindo-se todos aqueles que tinham cometido algum delito ou não falavam grego.
 
Na véspera, os “sacra” - objetos sagrados - de Deméter eram trazidos de Eleusis pelas sacerdotisas, que percorriam em silêncio os trinta quilômetros que separavam a cidade de Atenas, com as cestas sobre suas cabeças. Os “sacra” eram depositados no Eleusinion, o santuário de Deméter na Ágora (templo) de Acrópolis, até o dia seguinte, quando eram purificados no mar.
 
Dedique este dia para avaliar a arrumação de seu altar ou espaço sagrado. Considere o que deve ser descartado, renovado ou substituído. Talvez você queira ampliar o seu “ponto de força” ou reforçar as defesas energéticas de seu ambiente. Use os ensinamentos da milenar tradição do Feng Shui para alinhar sua casa com as correntes cósmicas e telúricas, crie o “canto da espiritualidade” colocando nele imagens de anjos, estatuetas de deusas, mandalas, yantras ou os objetos que para você representam o sagrado.
 Reserve algumas horas para se isolar, permanecendo em silêncio e meditando a respeito de sua busca espiritual, dos caminhos percorridos, dos desafios enfrentados e das realizações alcançadas.